“I love you more than being 17 “

7 jun

Tenho 17 anos. Essa é minha última semana de 17, na próxima terça faço 18 anos. E estava aqui a recordar como foi ter essa idade, me referindo ao período que correspondeu ao fim dos 16 e a esse início de 18.

Eu diria que ter dezessete anos foi muito turbulento pra mim. Da metade do ano passado pra cá minha vida virou de ponta cabeça, me jogaram baldes e baldes de água fria, eu me vi num mar no qual não conseguia nadar. Um mar de pensamentos paradoxais que giravam na minha cabeça a mil por hora.

O fim do terceiro ano, além de gerar todas as tradicionais tensões de final de ano, representou o fim do ensino médio, da escola, de uma etapa da minha vida. E sim, eu estava muito preocupada com isso. Não tinha a mínima idéia de como 2010 seria. Eu não sabia se queria ir pra faculdade, se devia fazer vestibular, muito menos qual curso eu deveria escolher. Acabei fazendo a inscrição, quase que sem motivo algum.

Mas o que eu mais me preocupava era com as amizades da escola, eu sentia que não saberia como manter minhas amigas por perto depois que a gente parasse de se ver diariamente. E eu fiquei com muito medo de perdê-las, fiquei com muito medo de me ver sozinha.

E então foi aquela correria: arrecadar dinheiro pra formatura (o que incluia vender caldo e rifa na festa junina da escola), reforçar os laços de amizade o máximo que eu pudesse, aproveitar o fim da escola (período “fácil” da vida) e recuperar minhas notas em matemática (sim, eu tava afundando). E nesse meio tempo ainda tive uma excursão, na qual eu literalmente quebrei a cara numa cachoeira, e tive a minha colação de grau. E além disso eu tirei o aparelho dos dentes e emagreci cerca de 10 quilos.

Sim, minha mente estava um caos. Então eu passei na primeira etapa do vestibular, sem estudar nem nada. E fiquei em pânico com isso, não sabia o que fazer. Decidi fazer cursinho pra segunda etapa e me matar de estudar. E no meio disso tudo eu conheci um cara, as aulas acabaram…Todo mundo estava de férias e eu passava o dia inteiro estudando. Tive crises e mais crises de choro de tão extressada que fiquei. Não vi passar o natal, muito menos o ano novo.

Então começou 2010 e logo na primeira semana eu já tinha 4 provas de vestibular pra fazer e um encontro com aquele cara. Eu estava mesmo no meu limite e não tinha a mínima idéia do que fazer com relação a nada.

Em janeiro viajei com a família, mas a verdadeira viagem estava mesmo na minha cabeça…Fui a lugares onde nunca tinha estado antes, minha mente estava confusa. Então o resultado saiu: eu passei! Eu gritei, pulei, chorei e entrei em crise de novo. E aquele cara…Nossa! Ele fez minha cabeça girar em câmera lenta e em velocidade máxima ao mesmo tempo. E aí eu me decepcionei, surtei e me alienei.

Fevereiro passou como se eu não estivesse vivendo. Março chegou com as aulas da faculdade e aquele choque que se tem quando se vê algo novo. Abril foi o mês da crise de querer trancar, de não se identificar com o lugar, de se sentir totalmente deslocada. Maio veio e me fez tentar ver as coisas de um aspecto melhor, daí fiz esse blog. E junho…Bom, junho ainda nem aconteceu direito.

Pois é, meus 17 foram um turbilhão de coisas. E é claro que eu acabei mudando junto com tudo ao meu redor. E quer saber? Foi ótimo ter essa idade, pois apesar de tudo que aconteceu, do bom e do ruim, eu tive oportunidade de viver e descobrir um monte de coisas que eu pensava que já sabia.

E nessa última semana eu me despeço de ter dezessete, e não posso mentir que por um lado estou aliaviada por essa idade ter passado. Agora que venham os dezoito, quero diversas coisas novas…Espero diversas coisas novas, mas talvez não sejam tão intensas como as coisas novas dos 17, que agora já são coisas antigas.

Talvez por isso eu nunca me esqueça dos 17 e acho que pra sempre vou me lembrar de como era ter essa idade. Um lado meu vai ficar nos dezessete, uma parte minha foi gravada pelo que se passou nessa fase. Não, eu nunca deixei nada pra trás, sempre continuei por inteiro. Mas agora eu sinto como se uma parte minha tivesse que ficar, como se eu tivesse que a deixar pra poder seguir. Acho que isso é crescer, é aprender.

Evening sun – The Strokes

Anúncios

Uma resposta to ““I love you more than being 17 “”

  1. Melissa terça-feira, 15 junho às 12:54 #

    Eu também tive essa mesma impressão dos 17…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: